Test Imperialismo I

INFORMATION
Title of test:
Test Imperialismo I

Description:
Exercícios vestibulares

Author:


Creation Date:

Category: history

Number of questions: 10

Rating:

Share:
Last comments:
No comment about this test.
Do you want to comment the test?
Sign in daypo to comment the test.
Content:
A industrialização acelerada de diversos países, ao longo do século XIX, alterou o equilíbrio e a dinâmica das relações internacionais. Com a Segunda Revolução Industrial emergiu o Imperialismo, cuja característica marcante foi o(a): substituição das intervenções militares pelo uso da diplomacia internacional. busca de novos mercados consumidores para as manufaturas e os capitais excedentes dos países industrializados. manutenção da autonomia administrativa e dos governos nativos nas áreas conquistadas. procura de especiarias, ouro e produtos tropicais inexistentes na Europa. transferência de tecnologia, estimulada por uma política não intervencionista.
De 1815 a 1891, a Inglaterra viveu um período de grande estabilidade política interna, combinada com grande desenvolvimento econômico, que possibilitou aos ingleses o domínio dos mares e a expansão colonialista. As principais realizações desse período se deram durante: a Era Vitoriana. a Revolução Gloriosa. o governo de Henrique VIII. o governo de Elizabeth I. a instalação do anglicanismo.
A Expansão Neocolonialista do século XIX foi acelerada essencialmente, pela disputa de mercados consumidores para produtos industrializados e de investimentos de capitais em novos projetos, além da busca de matérias-primas. pelo crescimento incontrolado da população européia, gerando a necessidade de migração para a África e Ásia. pela necessidade de irradiar a superioridade da cultura européia pelo mundo. pelo desenvolvimento do capitalismo comercial e das práticas do mercantilismo. pela distribuição igualitária dos monopólios de capitais e pelo decréscimo da produção industrial.
A China desponta nos dias de hoje como uma das possíveis grandes potências do próximo século. Todavia, até meados do século XIX, ela era um país em grande parte isolado do restante do mundo e que, apesar de apresentar uma economia enfraquecida, resistia à voracidade dos interesses ocidentais. Naquela época os primeiros a quebrarem esse isolamento foram os inglesesAssinale a ÚNICA alternativa que corresponde aos meios empregados pelos ingleses para impor à China o comércio e outras influências ocidentais: a monopolização do comércio da região, pela Companhia das Índias Ocidentais; a Guerra do Ópio, com ataques às cidades portuárias chinesas; a assinatura de tratados de livre comercialização do chá chinês; a Guerra dos Boers, levando ao extermínio os nativos da região; a imposição à China de uma nova forma de governo com feições ocidentais.
Uma das alternativas a seguir NÃO corresponde às diferenças entre o colonialismo do século XVI e o Neocolonialismo do século XIX. A principal área de dominação do Colonialismo europeu foi a América e o Neocolonialismo voltava-se para a África e a Ásia. O Colonialismo teve como justificativa ideológica a expansão da fé cristã, enquanto que no Neocolonialismo, a missão civilizadora do homem branco foi espalhar o progresso. Os patrocinadores do Colonialismo foram a burguesia financeiro-industrial e os Estados da Europa, América e Ásia, enquanto que os do Neocolonialismo, o Estado metropolitano europeu e sua burguesia comercial. O Colonialismo buscava garantir o fornecimento de produtos tropicais e metais preciosos, enquanto que o Neocolonialismo, a reserva de mercados e o fornecimento de matérias-primas. A fase do capitalismo em que o Colonialismo se desenvolveu denominou-se Capitalismo Comercial e a do Neocolonialismo, Capitalismo Industrial e Financeiro.
A conquista da Ásia e da África, durante a segunda metade do século XIX, pela principais potências imperialistas objetivava a busca de matérias primas, a aplicação de capitais excedentes e a procura de novos mercados para os manufaturados. a implantação de regimes políticos favoráveis à independência das colônias africanas e asiáticas. o impedimento da evasão em massa dos excedentes demográficos europeus para aqueles continentes. a implantação da política econômica mercantilista, favorável à acumulação de capitais nas respectivas Metrópoles. a necessidade de interação de novas culturas, a compensação da pobreza e a cooperação dos nativos.
A expansão colonialista européia do século XIX foi um dos fatores que levaram: à diminuição dos contingentes militares europeus. à eliminação da liderança industrial da Inglaterra. ao predomínio da prática mercantilista semelhante à do colonialismo do século XVI. à implantação do regime de monopólio. ao rompimento do equilíbrio europeu, dando origem à Primeira Guerra Mundial.
No final do século XIX, em decorrência do neocolonialismo, um violento conflito se deu entre China e Inglaterra, devido ao interesse britânico em impor seu domínio sobre a China. O conflito a que se refere o texto foi: a Guerra da Manchúria. a Guerra dos Boers. a Guerra dos Boxers. a Guerra dos Cipaios. a Guerra do Ópio.
A reação à presença inglesa na Índia pelos soldados nacionalistas hindus, é conhecida como: Revolta dos Cipaios. Rebelião dos Boers. Guerra dos Boxers. Terror Branco. Conferência de Berlim.
A "partilha do mundo" (1870 -1914) resultou do interesse das potências capitalistas européias em: investir seus capitais excedentes nas colônias, obter mercados fornecedores de matérias-primas e reservar mercados para seus produtos industrializados; desenvolver a produção de gêneros alimentícios nas colônias, visando suprir as deficiências de grãos existentes na Europa na virada do século; buscar "áreas novas" para a emigração, uma vez que a pressão demográfica na Europa exigia uma solução para o problema; promover o desenvolvimento das colônias através da aplicação de capitais excedentes em programas sociais e educacionais; favorecer a atuação dos missionários católicos junto aos pagãos e assegurar a livre concorrência comercial.